top of page
  • Foto do escritorAs Advogados

Processo de Tomada de Contas Especial de Convênios: O que você precisa saber!

Se você trabalha com convênios junto à administração pública, é fundamental compreender o processo de Tomada de Contas Especial (TCE). Esse procedimento é acionado quando há indícios de irregularidades na aplicação dos recursos públicos destinados aos convênios, exigindo uma prestação de contas detalhada e minuciosa. Entender como funciona a TCE é crucial para evitar a aplicação de sanções à conveniada e aos seus representantes.


Lembrando que normalmente a TCE é instruída quando o órgão convenente compreende que não houve a transparência e a legalidade necessária na gestão do convênio.


Citado sobre a instauração do processo de TCE, o responsável pelo convênio tem a oportunidade de apresentar sua defesa em diferentes etapas do procedimento. Desde a notificação para a prestação de contas até o julgamento pelo Tribunal de Contas da União (TCU), há momentos específicos nos quais o responsável pode oferecer documentos, informações e argumentos para esclarecer os fatos e contestar as conclusões apresentadas. É importante aproveitar essas oportunidades para garantir a ampla defesa e o contraditório.


Os processos administrativos no TCU seguem procedimentos específicos, regidos pela Lei Orgânica do TCU (Lei nº 8.443/1992) e pelo Regimento Interno do TCU, como é o caso do TCE. Observe o passo a passo resumido do processo segundo estas normativas:


  • Identificação da Irregularidade: instaurada quando há indícios de irregularidades na utilização de recursos públicos, como desvios, fraudes, omissões ou outras condutas ilícitas;

  • Instauração do Processo: por determinação de uma decisão do Plenário do TCU, por proposta de um ministro relator ou por determinação legal.

  •  Nomeação do Responsável: no ato de instauração do processo, é nomeado um responsável pela prestação de contas - pode ser o gestor público, o ordenador de despesas, o beneficiário do recurso ou qualquer outra pessoa física ou jurídica que tenha dado causa à irregularidade;

  • Elaboração da Tomada de Contas: o responsável tem o dever de elaborar a TCE, apresentando informações detalhadas sobre a aplicação dos recursos, as eventuais irregularidades constatadas e as medidas adotadas para regularizar a situação;

  • Análise e Instrução do Processo: a corte de contas realiza análise detalhada da TCE, podendo solicitar informações adicionais, realizar diligências, perícias e auditorias para esclarecer os fatos e identificar os responsáveis pelas irregularidades;

  • Relatório Técnico e Parecer do Ministério Público: após a instrução do processo, é elaborado um relatório técnico com as conclusões da análise realizada.

  • Julgamento pelo Plenário: O processo é levado a julgamento pelo Plenário, onde são analisadas as conclusões do relatório técnico, o parecer do Ministério Público e as manifestações das partes envolvidas.

  • Decisão: o Plenário do TCU emite uma decisão sobre o caso, que pode incluir a aplicação de multas, a determinação de ressarcimento ao erário, a declaração de inidoneidade para contratar com a administração pública, entre outras medidas.

  • Recursos: os envolvidos têm o direito de interpor recursos contra as decisões do TCU, que serão analisados pelo próprio tribunal.

  • Execução da Decisão: após o trânsito em julgado (após o esgotamento de todos os recursos) caso a decisão seja desfavorável, deverá proceder com o ressarcimento ao erário e/ou cumprir as demais determinações impostas pelo TCU.


É importante ressaltar que a Tomada de Contas Especial é um instrumento importante para o controle e a responsabilização pelo uso dos recursos públicos federais, visando garantir a legalidade, a eficiência e a transparência na administração pública. Para saber mais, procure um especialista!

Posts Relacionados

Ver tudo

Comments


bottom of page